Comportamento

Não é o que acontece com você, mas como você reage

Os pensamentos negativos podem ser muito prejudiciais para nós mesmos. Eventos traumáticos não nos afetam tanto por causa dos eventos que acontecem, mas por causa do estresse e da ansiedade gerados pela culpa . Controlar nossos pensamentos é a chave para avançar, e avançar sem o fardo da culpa.

Um estudo de 2013 com mais de 30.000 pessoas, revelou que insistir nos eventos negativos da vida pode ser o principal gatilho para alguns dos problemas de saúde mental mais comuns da atualidade, principalmente por causa da culpa gerada por esses eventos.

Os resultados indicaram que não é o que acontece conosco, mas a maneira como pensamos sobre o que molda nosso bem-estar psicológico. Nesse sentido, agir de acordo com nossos pensamentos nos ajudará a limitar esses sentimentos de culpa com os quais nos punimos.

 «Embora saibamos que a genética de uma pessoa e as circunstâncias de sua vida influenciam os problemas de saúde mental, os resultados deste estudo mostraram que os eventos traumáticos da vida são a principal razão pela qual as pessoas sofrem de ansiedade e depressão . No entanto, a maneira como uma pessoa pensa e lida com eventos estressantes é um indicador do nível de estresse e ansiedade que sente ” , disse o pesquisador Peter Kinderman .

Embora a auto-reflexão  possa ser um ingrediente-chave para viver uma vida consciente e feliz, essas novas descobertas mostram que a ruminação ou a mudança dos aspectos negativos de nossa vida e de nosso passado não é bom para nós.

Portanto, embora a autocompreensão seja um meio de superar as lutas pessoais, também é necessário fazer um exercício de autocompaixão e não nos tornarmos inimigos de nós mesmos.

Nesse sentido, superar nosso crítico interno nos ajudará a banir a culpa e o desprezo pelo que aconteceu conosco, pelo que fizemos ou pelo que paramos de fazer, o que nos dará a oportunidade de pensar positivamente sobre o que ainda temos pela frente , além de confiar no bem que fizemos e nos valores e atitudes que nos fortalecem.

Para superar esses pensamentos negativos autodestrutivos, é importante começar aprendendo a diferenciá-los e reconhecê-los, além de identificar quando esses pensamentos surgem. Dessa forma, podemos começar a filtrá-los, evitá-los e até confrontá-los com uma resposta aguda e tolerância zero.

Por outro lado, quando nos encontramos em pensamentos negativos, quando lembramos de coisas que nos afetam negativamente, é muito melhor parar de girá-las, parar de refletir sobre o que aconteceu. É muito mais eficaz cortar esses pensamentos naquele momento, pensar em outra coisa.

De acordo com as conclusões de vários estudos, intervenções cognitivo-comportamentais podem ser eficazes na redução da preocupação. Nesse sentido, vários estudos mostraram que, nos tratamentos em que os participantes são incentivados a mudar seu estilo de pensar ou a resposta emocional de ruminar, reverter as coisas e se preocupar tanto com elas, são obtidos resultados positivos.

Outras pesquisas indicaram que a auto-compaixão está associada a uma maior capacidade de recuperação emocional, a um relacionamento mais favorável consigo mesmo, uma vez que a auto-compaixão se baseia em um senso básico da dignidade de alguém como ser humano.

Portanto, começar a banir pensamentos negativos requer estar ciente de não ouvi-los, cultivar a autocompaixão e agir contra as diretrizes estabelecidas por nosso crítico interno.


Traduzido e adaptado por: Duda Renovatio 

De Eva Maria Rodriguez

Etiquetas

Ademir Fábio Quinot Ströher - ( Duda Renovatio )

Pai da Sophie e do Gael Cursou Análise e Desenvolvimento de Sistemas (UDESC) e Filosofia (UFSC), juntando as duas paixões que são a tecnologia e o livre pensar. Idealizador e criador do Portal Pensador Anônimo, o qual foi projeto de TCC (Filosofia da informação) do curso de Filosofia, colocado em prática as teses do Filósofo Francês, Pierre Lévy,( Inteligência coletiva; Cibercultura; Ciberdemocracia). Que a força esteja com vocês!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Caro leitor, a publicidade é a nossa fonte de renda para manter a estrutura física, intelectual e humana. Para continuar a leitura, por favor desativar o bloqueador de publicidade do seu navegador! Obrigado!