Pensamento - Mundo

Início Pensamento - Mundo

Cristianismo como religião: a vocação messiânica – Por Giorgio Agamben

O endereço de saudação de um dos textos mais antigos da Tradição eclesial, a Carta aos Coríntios de Clemente, começa com estas palavras: “A Igreja de Deus que se encontra em Roma à Igreja de Deus que se encontra em Corinto”. A palavra grega “paroikousa” [traduzida no original francês como "en séjour", literalmente "em estada", e, na versão italiana corrente, como "che si trova", "que se encontra"] indica a estada do exílio, do colono ou do estrangeiro, em contraposição ao residir do cidadão, que se diz “katoikein” em grego.“Paroikein”, viver em exílio, define tanto o habitar do cristão no mundo, quanto a sua experiência do tempo messiânico.

Quando a religião do dinheiro devora o futuro – Por Giorgio Agamben

Para entender o que significa a palavra “futuro”, é preciso, antes, entender o que significa uma outra palavra, que não estamos mais acostumados a usar, senão na esfera religiosa: a palavra “fé”. Sem fé ou confiança, não é possível futuro. Só há futuro se pudermos esperar ou crer em alguma coisa. Sim, mas o que é fé?

“Deus não morreu. Ele tornou-se Dinheiro” – Por Giorgio Agamben

“Deus não morreu. Ele tornou-se Dinheiro”. Confira abaixo a excelente entrevista com Giorgio Agamben, um dos principais intelectuais de sua geração “O capitalismo é uma religião, e a mais feroz, implacável e irracional religião que jamais existiu, porque não conhece nem redenção nem trégua. Ela celebra um culto ininterrupto cuja liturgia é o trabalho e cujo objeto é o dinheiro”, afirma Giorgio Agamben, em entrevista concedida a Peppe Salvà.

O perfeito idiota brasileiro

Ele não faz trabalhos domésticos. Não tem gosto nem respeito por trabalhos manuais. Se puder, atrapalha o trabalho de quem pega no pesado. Trata-se de uma tradição lusitana, ibérica, que vem sendo reproduzida aqui na colônia desde os tempos em que os negros carregavam em barris, nas costas, a toilete dos seus proprietários, e eram chamados de “tigres” – porque os excrementos lhes caíam sobre as costas, formando listras. O Perfeito Idiota Brasileiro, ou PIB,

“Malafaia fala, Marina obedece, pois vê nisso a vontade de Deus”, diz Leonardo Boff

Ele analisa, entre outros assuntos, o recuo da candidata em relação à criminalização da homofobia, a sua trajetória religiosa e a proximidade com uma economia neoliberal por Conceição Lemes, do Viomundo

Um bandido é um “não-você” e só existe por que você é – Por...

O professor Paulo Queiroz, ao discutir sobre a necessidade e eficácia das leis para evitar que pessoas cometam crimes, nos instiga a perguntar sinceramente a si mesmo: “por que ainda não pratiquei estupro?”, “porque ainda não matei alguém?”, “por que ainda não assaltei um banco?”. A resposta, segundo o professor, com quem concordo plenamente, é pouco provável que seja: “por que há uma lei que o proíbe; e se a lei for revogada, eu o farei.”