Caco Barcellos: ‘Quem proíbe drogas é a favor do tráfico’

0
345

A crítica social e o fazer jornalístico foram os principais temas da mesa “Os olhos da rua”, na Tenda dos Autores, com os jornalistas Caco Barcellos e Misha Glenny, ambos lançando livros nesta edição da Flip: “Profissão repórter 10 anos: grandes aventuras e grandes coberturas” e “O dono do morro”, biografia sobre o traficante Nem da Rocinha, respectivamente.

Caco Barcellos: 'Quem proíbe drogas é a favor do tráfico'
Caco Barcellos: ‘Quem proíbe drogas é a favor do tráfico’

Apresentados pelo mediador Ivan Marsiglia como dois dos maiores repórteres em atividade no mundo, Barcellos e Glenny dividiram com o público suas experiências nas favelas cariocas.

— Eu estava no Rio quando o Nem foi preso, em 2011. Foi tudo muito midiático, como a prisão do O.J. Simpson nos EUA, nos anos 1990. E o curioso era que, equanto muitos o viam como o demônio, outros o admiravam como herói. Ali decidi escrever sobre a violência no Brasil e fui morar na favela. Você tem que vivenciar o barulho das ruas, o cocô de cachorro espalhado por todos os lados, o cheiro do lugar, para saber como é a vida numa favela. Por isso fui morar na Rocinha — contou Glenny.

Barcellos, que ganhou o Jabuti pelos livros investigativos “Rota 66” e “Abusado”, também compartilhou memórias de seu trabalho.

— Quando escrevi sobre o Marcinho VP em “Abusado”, eu tive contato direto com os traficantes. Mas deixei bem claro que só queria ouvir histórias do passado. Quando ouvi que eles planejavam um assalto ao Galeão, saí do recinto. Um deles veio atrás e me perguntou: “Agora que demonstramos que confiamos, você foge?” Expliquei que, como cidadão, não podia ser cúmplice. Morria de medo de ser visto como X-9 — contou.

GUERRA NÃO DECLARADA

Para os escritores, que foram correspondentes de conflitos sangrentos no exterior, como a revolução da Nicarágua e a guerra da Iugoslávia, a violência no Brasil é um caso de guerra não declarada.

— No Iraque, 120 mil pessoas foram mortas de 2003 a 2011, no que foi chamado pela imprensa internacional de a pior guerra no mundo naquele período. No mesmo intervalo de tempo, de oito anos, 400 mil pessoas foram mortas no Brasil. Mas nós não nos impressionamos mais. Isso não choca porque quem tem voz ativa na sociedade não sofre com essa guerra, ela atinge apenas as pessoas mais pobres do país — disse Barcellos, para aplausos do público.

O criador do programa “Profissão repórter” prosseguiu:

— Os trabalhadores humildes são muito mais bem informados que nós, ditos intelectuais. Eles conhecem as duas realidades do país. Nós, não. Fui criticado por ter escrito sobre o Marcinho VP, afirmaram que eu estava dando voz a um bandido. Mas ninguém reclama quando entrevistam pessoas das elites brancas presas por corrupção. Só não se pode ouvir criminoso de baixa renda. Temos que dar voz a todas as camadas sociais — finalizou Barcellos.

A chamada guerra ao tráfico foi alvo de duras críticas dos dois jornalistas.

— O enfrentamento com as drogas é imoral. Essa guerra é a causa dos homicídios no Brasil, no México, na Colômbia, no Afeganistão etc. Não há base racional para essa política. Legalização é o futuro. Precisamos de políticas que sejam feitas por questões humanas, não fiscais — criticou Glenny.

Barcellos concordou com o colega:

— Quem proíbe drogas é a favor do tráfico. Quem ganha com a ilegalidade a não ser o traficante e o funcionário público desonesto? Até como questão de saúde pública é condenável. É hipócrita combater as drogas no Brasil e deixar de fora o álcool, por exemplo, um dos grandes problemas de saúde pública do mundo.

“JORNALISMO DIVULGAÇÃO DE DOSSIÊ”

O ponto final do debate foi a crise do jornalismo contemporâneo.

Os jornais não têm dinheiro. A profissão mudou fundamentalmente. Estamos afundando nas informações, não temos confiança nelas. Precisamos de uma imprensa livre e independente. E a cada dia ela é menos independente e livre — afirmou Glenny.

Barcellos criticou o que define como “jornalismo divulgação de dossiê”:

— Não é um momento brilhante para nossa profissão. Quem está investigando é o promotor. Isso não é reportagem. Você tem o dever de comprovar que aquelas informações são verdadeiras. Gravar uma entrevista e reproduzi-la por ser bombástica, mas não é jornalismo. Prefiro checar se cada frase dita no dossiê é verdadeira. Adoro jornalismo declaratório como multiplicador de conhecimento, mas não se pode chamar isso de reportagem.

Os comentários não representam a opinião do Portal Pensador Anônimo